Visite o site da Universidade de Taubaté! 

 

Última atualização

02/02/2005

 

 

 

 

Departamento de Ciências Agrárias

PLANO DE BACIAS CBH-PS 2000-2003
(CPTI, 2001)

 

Aspectos do Meio Físico e Ambientais

         Para análise da bacia hidrográfica do rio Una estão sendo considerados: baixo curso, a região da foz do rio Una e afluentes até a confluência do rio das Almas com o rio da Rocinha, médio curso, deste limite até a cota de 800 m, e alto curso, desta até as porções mais a montante. A bacia do rio Una possui terrenos que caracterizam-se desde por superfícies aplainadas, com interflúvios sem orientação, até morros de serras restritas, com topos arredondados. As vertentes em geral possuem perfis convexos e/ou retilíneos, cujas declividades variam de 20 a 60%.  As unidades litoestratigráficas presentes, compiladas de IPT (1981a), são: sedimentos aluvionares (unidade Qa), dominando a área de várzea e o contorno das drenagens na cabeceira, o Grupo Taubaté – Formações Caçapava (TQc) e Tremembé (Tt), presentes mais especificamente na porção do curso médio da bacia, e as suítes graníticas sintectônicas pré-cambrianas (unidades PSyc e PSeM). Os terrenos cristalinos formam o principal aqüífero presente na sub-bacia, denominado Sistema Aqüífero Cristalino (SAC) (CETESB et al., 1997; CPTI, 2000). Seu substrato hidrogeológico é formado por rochas cristalinas do embasamento.Nas adjacências das principais drenagens tem-se os sedimentos recentes.Os latossolos e argissolos vermelho-amarelos fazem-se presentes na bacia, de acordo com IAC (1999). Aparecem também os gleissolos melânicos, sobretudo na área de várzea do rio Uma com o rio Paraíba do Sul. O clima da sub-bacia é do tipo Cwa, segundo a classificação de Köppen, com temperatura média anual de 21,4 º C (Setzer, 1996; Sentelhas et al., 1999).

 

                                                            Voltar               

 

 

 


LINKS 

 INTERESSANTES: